Olhando parece simples a construção de um extintor de incêndio.

Mas por traz de toda essa simplicidade há uma gama de testes, ensaios e requisitos construtivos e funcionais que devem ser cumpridos pelo fabricante, para que seja entregue ao usuário um aparelho, que na hora da necessidade, cumpra sua função com eficácia e eficiência.

Nos extintores portáteis, que vão de 900g a 12kg por exemplo, são necessários, só como requisitos construtivos, o cumprimento pela empresa fabricante de mais de quinze requisitos.

Já quando se trata de operação e desempenho, as normas de fabricação cobram mais dezesseis requisitos, além do ensaio de fogo que mede a capacidade extintora.

Também se inclui a marcação, o quadro de instrução os manuais do usuário e de manutenção, a cor, entre outros requisitos, que devem ser observados e estão todos dispostos em normas de fabricação.

Veja por exemplo os ensaios referentes a operação e desempenho que todo aparelho deve cumprir:

  • Faixa de temperatura de operação;
  • Descarga:
    • Na faixa de temperatura de operação;
    • Na posição normal de operação.
  • Tempo efetivo de descarga;
  • Alcance do jato;
  • Temperatura de exposição;
  • Resistencia a vibração;
  • Resistencia a queda;
  • Vazamento;
  • Força de acionamento;
  • Ciclo de recarga;
  • Resistencia a corrosão;
  • Corrosão externa;
  • Corrosão interna.

É muito mais que uma chapa enrolada pressurizada com pó dentro, o extintor de incêndio é um aparelho tratado com a seriedade que ele merece.

A título de curiosidade, para que um recipiente de extintor se rompa é necessário cinco vezes a pressão normal com que ele é pressurizado para uso normal.

Tudo isso para garantir a você usuário, completa segurança, e total confiança de que ele não vai explodir sem que aja pressão cinco vezes maior do que a que se encontra dentro dele.

Quem acompanha todos esses detalhes construtivos, operacionais e de desempenho de cada aparelho é o INMETRO.

Todos os ensaios dispostos em normas para cada modelo de extintor, deve ser realizado por laboratório independente, que manda diretamente os resultados das amostras coletadas pelo INMETRO ao próprio INMETRO, afim de que ele aprove ou reprove os modelos.

Esses ensaios são repetidos no mínimo a cada três anos para cada modelo, ou seja, a cada três anos são renovados todos os ensaios em laboratório.

Além dos ensaios dos laboratórios, cada fabricante adota sua própria política de qualidade e amostragens, para ensaio mensais dos extintores.

É responsabilidade do fabricante junto ao INMETRO, e, portanto, também, junto à sociedade, manter as características distintas de cada produto ensaiado e aprovado dentro do padrão estabelecido pelas Normas e auditadas pelo INMETRO.

É aí que nasce a necessidade constante de avaliações periódicas dentro da empresa, para que se mantenha um sistema e gestão da qualidade que garanta a padronização conforme anteriormente aprovado.

Em se tratando de gestão da qualidade, não basta apenas os requisitos construtivos, operacionais e de desempenho estarem em ordem, na verdade existe todo um processo que vai desde a qualificação de fornecedores até o pós-venda, para que de fato seja mantido a qualidade e o desempenho dos aparelhos.

Em se tratando da resposta da pergunta inicial, podemos dizer que cada aparelho nosso cumpri mais de 35 (trinta e cinco) requisitos, para que ele chegue até você em plena condição de funcionamento.

Movidos por nossa paixão, e pela motivação de levar até você segurança, para sua vida e seu patrimônio, é que nós da Extinpel trabalhamos diariamente.

Extinpel – Qualidade e Segurança em Suas Mãos.